C?o do Dia & Cia

Sorocaba, Terça, 16 de Julho de 2019

Aqui todo Pet é especial!
Pet do Dia
Envie a foto de seu Pet
Pet procura Amor e Carinho
Feiras de Animais e Eventos
Sugestões para nomes de filhotes de Cão
Lista de Pet-Shops, Veterinários, Canis, Hoteis para cães, Canis, ONGs e outros
Tire suas dúvidas com os profissionais cadastrados no site
Artigos sobre Animais
Guia de Raças de Cães
Fotos dos Pets Anteriores
Verifique aqui os pets que se perderam de seus donos
Pet a procura de namoro
Classificados de Empregos (Vagas e Candidatos)
Classificados para Compra/Venda/Doações

Guia de Raças de Cães Gatos e outros Animais

Espécie
Países de Origem
Classe da Raça
Pesquisar por
 
Páginas | 1
Cães
Cães de tipo Pinscher e Schnauzer, Molossóides e Cães de Montanha, e Boieiros Suiços
Molossóides - Dog e Montanha
Raça/Origem Nome Original Foto Criadores
Mastim Napolitano

Itália
Mastino Napoletano 
Mastim Napolitano
Mastim Napolitano
Nome original
Outros nomes
Mastino Napoletano
País de origem
Itália
Padrão FCI
Grupo: 2
Seção: 2
Molossóides tipo dogue
Número #197 - 27/11/1989
Não é reconhecida oficialmente
Esta raça está extinta
Variedades
Notas

O Mastim Napolitano é uma raça de cão muito antiga, sendo citado por grandes escritores e oradores da Roma antiga, que o mencionavam como "bom cão guardião". Assim disse Columela: "...cão guardião da casa deve ser preto, ou escuro, para afugentar o ladrão de dia e poder atacá-lo à noite sem ser visto. A cabeça é tão importante que se apresenta como a parte mais importante do corpo, as orelhas são caídas e pendem para a frente..." Apesar de diversas citações a este cão ao longo da história, sua origem ainda é bastante controversa e discutida por historiadores e cinófilos.

História

Alguns afirmam que ele seria descendente dos cães que Alexandre, o Grande, conheceu na Grécia e havia levado para Roma. Outros acreditam que a raça seja descendente direto dos molossos romanos, usados pelos exércitos romanos nas guerras contra seus inimigos e outros ainda afirmam que a raça tenha sido originada do cruzamento entre os molossos romanos e os Pugnaces Britannie, trazidos da Inglaterra pelos soldados romanos e por último existe a possibilidade de ter sido trazido ao Mediterrâneo em navios fenícios, há milênios. Estas suposições têm em comum a crença de que o progenitor do Mastim seria um cão de características molossóicas que viveu no Tibete mas a maioria dos estudiosos discordam desta linha de raciocínio e investigam o passado do Mastim em cães europeus. Porém, de maneira geral, todas as correntes acreditam que o Mastim colaborou para a constituição de muitas outras variedades de molossos, como o Rottweiler e o São Bernardo.

O tempo passou, mas o Mastim manteve suas características desenvolvidas na região da Campânia - Durante a 2ª Guerra Mundial, muitos exemplares morreram - a fome se abateu sobre todos e não havia alimentação para o pesado Mastim, que consome em média 2,5 kg de comida por dia. Apesar da antigüidade, o Mastim Napolitano só foi reconhecido oficialmente como raça bem mais recentemente e esse feito deveu-se, especialmente, ao trabalho de seleção do escritor Piero Scanziani, que interessou-se pelos cães apresentados na 1ª Exposição Canina em Nápoles, onde ressurgiram oito belos espécimes da raça. Foi Piero quem iniciou um trabalho de seleção e em 1949, conseguiu junto ao E.N.C.I. (Ente Nazionale Cinofilo Italiano) o reconhecimento oficial da raça, cujo padrão definitivo foi fixado apenas em 1971.

Aparência

O Mastim atinge seu auge físico aos 3 anos de idade, quando pode chegar a pesar até 85 quilos. O peso dos mastins depende, entre outros factores, da zona de origem dos seus ascendentes. Por exemplo, em determinadas zonas da itália, um mastino pode facilmente atingir próximo dos 100kg de peso.

ALTURA ATÉ A CERNALHA (junção do pescoço com o tronco do cão): 77cm

CABEÇA: Arrendondada, massuda, com o crânio largo na altura dos zigomas ("maçãs da face")e pele abundante com rugas e pregas; focinho muito largo e profundo; lábios de pele pesada, espessa e abundante, maxilares fortes, com ossos mandibulares bem robustos e arcadas dentárias perfeitamente encaixadas; dentes brancos, bem desenvolvidos, regularmente alinhados e numericamente completos (mordedura em tesoura); olhos de inserção frontal, bem afastados e ligeiramente aprofundados, com o contorno das pálpebras tendendo ao redondo. A cor da íris acompanha a cor da pelagem; orelhas em relação ao tamanho do cão, são pequenas, de formato triangular, inseridas acima das arcadas zigomáticas, quando inteiras, são achatadas e portadas pendentes e rentes às faces; quando operadas formam um triângulo quase eqüilátero.

TRONCO: Forte e robusto, o comprimento do tronco não ultrapassa em 10% a medida da altura até a cernelha.

CAUDA: Com base larga, grossa na raiz, robusta e afinando-se ligeiramente para a ponta.

MOVIMENTAÇÃO: É uma das características típicas da raça. Seu passo é indolente, lento, semelhante ao do urso. O trote é caracterizado por uma forte propulsão dos posteriores e um bom alcance dos anteriores. O Mastim Napolitano raramente galopa.

PELE: Espessa, abundante e solta em todo o corpo, particularmente, na cabeça onde desenha numerosas pregas ou rugas, e na linha inferior do pescoço, onde forma uma barbela. Estas rugas no focinho são uma característica muito importante, e deve ser um dos factores decisivos aquando a escolha de um cachorro.

COR: Cinza, cinza-chumbo e preto, com algumas pequenas manchas brancas no centro do antepeito e na ponta dos dedos como também, mogno, fulvo e fulvo avermelhado (cervo). No entanto, mancha branca no focinho é um factor de desqualificação.

Potenciais problemas de saúde

Os principais (e mais graves) problemas do Mastim Napolitano são devidos à sua própria estrutura e constituição física.

  • Obesidade ? o Mastim é considerado um guloso por natureza e tem tendência a apresentar problemas de excesso de peso que pode comprometer a estrutura óssea. Para evitar esse problema, além de não dar comida demais, é importante exercitá-los sempre, com caminhadas diárias.
  • Torção gástrica ? pode-se evitar esse problema dividindo a porção total de ração, evitando dar toda a comida de uma única vez.
  • Dermatite ? O Mastim, especialmente o tipo mais enrugado pode apresentar problemas de acúmulo de sujeira e umidade na pele. Para evitar esse problema, é importante secar bem o cão após o banho ou exposição à chuva.
  • Displasia coxo-femural ? Má formação do encaixe do fêmur com a bacia. Pode ser tanto de origem genética ou como adquirida em razão da exposição do cão a pisos lisos. Não tem cura. Por isso, a escolha do filhote junto a um bom criador é fundamental, assim como a alimentação do filhote com rações de primeira qualidade e acompanhamento do veterinário quanto à adição de suplementos de cálcio e vitaminas.
  • Otite ? Devido ao padrão da raça, as orelhas são cortadas e deixam a cavidade auricular exposta, algum liquido pode entrar e se alojar, causando uma inflamação. Facilmente curavel, porém se não percebida rapidamente pode causar surdez permanente. O cão mostrará o incomodo balançando a cabeça para uma lado e para o outro e coçando a orelha insistentemente
  • Entropio ? Inflamação na pálpebra


para mais informação: http://www.saudeanimal.com.br/mastim.htm http://arcadenoe.sapo.pt/raca/mastim_napolitano/41 http://www.mastinonapoletano.it/ http://www.samn.it/

Obtido em "http://pt.wikipedia.org/wiki/Mastim_Napolitano"

Nomes sugeridos: simone
Canis/Criadores/Petshops::

CANIL VILLA DI TORRIERE (Ver mais Detalhes) ( 3358 hits )
Eng.Teodoro Sampaio, 121
81510130 - Curitiba - Pr
Brasil
Especializado na raça Mastino Napoletano.


Telefones : (41)33086173 / (41)91445893