C?o do Dia & Cia

Sorocaba, Quinta, 25 de Maio de 2017

Aqui todo Pet é especial!
Pet do Dia
Envie a foto de seu Pet
Pet procura Amor e Carinho
Feiras de Animais e Eventos
Sugestões para nomes de filhotes de Cão
Lista de Pet-Shops, Veterinários, Canis, Hoteis para cães, Canis, ONGs e outros
Tire suas dúvidas com os profissionais cadastrados no site
Artigos sobre Animais
Guia de Raças de Cães
Fotos dos Pets Anteriores
Verifique aqui os pets que se perderam de seus donos
Pet a procura de namoro
Classificados de Empregos (Vagas e Candidatos)
Classificados para Compra/Venda/Doações

Cão do Dia & Cia . Artigos

Listar todos os artigos
Artigo

CINOMOSE

Autor/Publicador Fernando Francisco de Oliveira
Data 2008-11-11 19:59:39

Cinomose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


 

A cinomose é uma doença altamente contagiosa provocada pelo vírus CDV (Canine Distemper Virus) ou Vírus da Cinomose Canina (VCC), da família PARAMYXOVIRIDAE, que atinge animais da família canidae, mustelidae, mephitidae e procyonidae (entre eles cães, furões/ferrets e alguns outros animais silvestres). Ela degenera os envoltórios lipídicos que envolvem os axônios dos neurônios, conhecidos como baínha de mielina. Ela afeta a todos os cães e é raro que haja algum que não tenha sido exposto ao virus, exceto no caso de cães que vivem isolados. Junto com ela, geralmente aparecem infecções causadas por bactérias.

A cinomose de gatos domésticos é provocada por outro vírus, exclusivo e específico, e é chamada panleucopenia felina.

Transmissão

A cinomose não é uma zoonose, isto é, não passa para seres humanos; contudo o ser humano pode carregar o vírus até que ele chegue a um animal sadio. A transmissão ocorre, em geral, através do contato com secreções do nariz e boca do animal. Isso pode se dar através de um espirro do animal doente, espalhando a secreção ao redor e contaminando os cães que estejam por perto. É muito importante que se diga, que o vírus da Cinomose tem pouca resistência a nível ambiental, ou seja, fora do organismo do seu hospedeiro, o que facilita o controle ambiental da disseminação da doença, diferentemente do que ocorre com a parvovirose, por exemplo. As características climáticas do inverno favorecem a presença deste vírus no ambiente,por isso nosso cuidado deve ser redobrado nesta época.Apesar da sensibilidade do vírus no ambiente,há muitos relatos de casos de criadores que perderam animais vitimados pela Cinomose,após serem introduzidos em ambientes, onde outros cães haviam morrido anteriormente, no período de até seis meses atrás.Por esse motivo é aconselhável concluir todo o esquema de vacinação, de pelo menos três doses,antes de introduzí-los nesse ambiente contaminado.

Sintomas

A Cinomose é a doença mais importante dos cães. A descrição clássica em livros textos é de uma infecção viral aguda caracterizada por febre bifásica, secreções nasal e ocular, anorexia, depressão, vômito, diarréia, desidratação, leucopenia, dificuldades respiratórias, hiperceratose do focinho e dos coxins plantares, mioclonia e sintomatologia neurológica.

Tanto os animais tratados quanto os não tratados podem desenvolver sintomalogia nervosa, mas esta é mais comum nos últimos. Essa fase nervosa da doença pode ser caracterizada por espasmos musculares (mioclonia) e comportamento fora do normal. Esse "comportamento fora do normal" é provocado pela desmielinização do sistema nervoso, o cão pode se tornar agressivo e não reconhecer o dono. Com o degeneramento avançado da baínha de mielina, o cão pode apresentar paralisia devido à fragmentação dos neurônios. Embora hoje em dia muitos Veterinários recomendem a eutanásia de um animal com paralisia pela cinomose, a acupuntura tem sido um tratamento eficaz (referências???), com recuperação quase que total, o animal recupera os movimentos, e se havia parado de urinar e defecar, também volta ao normal.

Tratamento

O tratamento é dificil. Depende muito da capacidade imunológica do próprio cão. O veterinário pode ajudar eliminando doenças que aparecem devido à baixa no sistema imunológico, como infecções bacterianas; receitar medicamento que diminuam a inflamação no cérebro e aumente sua resistência; uma alimentação adequada, etc.

A acupuntura é utilizada para tratamento das sequelas, e não da doença ou seus sintomas.

Atualmente a melhor opção para combater a doença é a prevenção através da vacina.

Entretanto, a experiência em canis tem demonstrado que o melhor tratamento para cães adultos na chamada "fase respiratória" consiste em duas abordagens simultâneas: a aplicação subcutânea do soro "cino-globulin" e na administração por via oral, seguindo a bula, dos antibióticos "cloranfenicol"(Quemicetina) por no máximo 5 dias, + "amoxicilina clavulanato de potássio" por 3 semanas, 500 para casos mais brandos e 800 para os mais graves, + a pomada para os olhos epitezan. Além de suplementos de vitamina C, complexo B e glutamina (vendida em lojas de suplementos para musculação) por 3 meses, que reforçam o sistema imunológico do animal. Alimentação saborosa é fundamental. Se o cão evita mesmo alimentos saborosos, dê "Silimalon" duas vezes ao dia, ele não pode ficar sem comer. A aplicação do soro é feita com 2ml/ Kg de peso do animal no primeiro dia de tratamento, mais outra aplicação 24 horas depois, seguida de mais uma aplicação no décimo dia. Deve ser aplicado em doses de 5 ml espalhadas pelo dorso do cão, para cães de médio porte, ou em doses de 10 ml para cães maiores. Este tratamento é eficaz na cura da doença em seu estágio inicial, ou fase respiratória. Se o cão não passa por esta fase e desenvolve a cinomose na chamada fase neurológica (com espasmos musculares ou demência), a sobrevivência com integridade mínima dependerá de sua própria capacidade de recuperação combinada com o tratamento sugerido pelo veterinário. Repetindo o que foi dito acima, a acupuntura é utilizada para tratamento das seqüelas. Enquanto a fase neurológica está se desenvolvendo, a acupuntura é ineficaz para impedir o aumento da paralisia. No desenvolvimento da doença, a acupuntura é capaz de aliviar a tensão da mandíbula, é capaz de fazer o animal urinar e defecar, se havia parado, e também voltar a piscar, evitando úlcerações nas córneas e conseqüente cegueira.